A métrica holística Estrela Verde

O que é a Estrela Verde?

A Estrela Verde é uma métrica holística, de natureza gráfica, que engloba o máximo possível dos 12 princípios da Química Verde. Com essa métrica é possível avaliar a verdura das atividades experimentais em laboratórios de ensino. A métrica apresenta uma forma de estrela e cada ponta (ou vértice) representa um princípio. 1,2,3
No princípio 1, por exemplo, a ponta da estrela está integralmente vermelha. Isso indica que há formação de resíduos perigosos para à saúde e o ambiente. Já a ponta do princípio 5 se encontra totalmente preenchida de verde. Para o princípio 5, os solventes e as substâncias auxiliares não existem ou são inócuos. A ponta do princípio 6 apresenta as duas cores (verde e vermelha). O princípio 6 é um exemplo moderadamente verde – aceitável, embora com algumas restrições.
Os 10 princípios da estrela são avaliados por meio de critérios. A Estrela Verde é construída de acordo com os critérios de avaliação de cada um dos princípios da Química Verde. Assim, para cada princípio em análise atribui-se uma pontuação de 1 (um) a 3 (três)4.
Pontuação 1 ausência de verdura química (casos malignos ou vermelhos)4.
Pontuação 2 significa moderadamente verde – aceitável, embora com algumas restrições4.
Pontuação 3 plenamente verde, representando casos ideais de atividades experimentais4.
Assim, os critérios são indicadores usados para avaliar os princípios da Química Verde na Estrela Verde.

Como construir a Estrela Verde?

1. Inicialmente, é preciso identificar se o processo envolve a estrela de 6 ou 10 pontas.

Estrela Verde de 6 pontas

Estrela Verde de 10 pontas

2. Pesquisa de todas as substâncias envolvidas no experimento: reagentes, produtos e subprodutos obtidos, catalisadores, solventes, agentes de purificação, secadores e resíduos resultantes2,4.
3. Em seguida, reúnem-se as Fichas de Segurança (FISPQ) dessas substâncias, que fornecerão informações sobre os perigos à saúde humana, ao ambiente e físico. As substâncias são pontuadas de acordo com o perigo. Recebe pontuação 1, se a substância apresentar benignidade máxima. Atribui-se pontuação 3, se apresentar perigo máximo e 2 se apresentar perigo moderado.2,4
4. Avaliação dos critérios.2,4.
Para ter um parâmetro melhor para comparar duas estrelas, é possível calcular o Índice de Preenchimento da Estrela (IPE), uma medida da porcentagem da Estrela que está pintada de verde. Para calcular o IPE, basta dividir a área verde pela área total do gráfico ou seguir a equação a seguir:5
IPE: (100 × área verde da estrela / área verde da estrela de verdura máxima).

Critérios para avaliação dos Princípios da Química Verde

Valores de Perigo

Referências

1. RIBEIRO, M. G. T. C.; COSTA, D. A.; MACHADO, A. A. S. C. Uma métrica gráfica para avaliação holística da verdura de reacções laboratoriais – “Estrela Verde”. Química Nova, v. 33, nº. 3, p.759-764, 2010.

2. RIBEIRO, M. G. T. C.; YUNES, S. F.; MACHADO, A. A. S. C. Assessing the Greenness of Chemical Reactions in the Laboratory Using Updated Holistic Graphic Metrics Based on the Globally Harmonized System of Classification and Labeling of Chemicals. Journal of Chemical Education, v.91, p.1901-1908, 2014.

3. COSTA, D. A. Métricas de Avaliação da Química Verde – Aplicação no Ensino Secundário. Tese (Doutorado em Ensino e Divulgação das Ciências) – Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, Universidade do Porto, Porto, 2011.

4. MACHADO, A. A. S. C. Introdução às métricas de Química Verde – Uma visão sistêmica. Florianópolis: Ed. UFSC, 2014.
5. MARCELINO, L. V.; RÜNTZEL, P. L. Estrela Verde: uma métrica holística. MARQUES, C. A.; YUNES., S. F. (Orgs.). A métrica holística Estrela Verde: Análise de atividades experimentais no Ensino de Química. 1 ed. Ponta Grossa: Atena Editora: 2023.
Desenvolvimento da página
Pesquisadora: Patricia Link Rüntzel
Design: Taina Apoena Bueno de Oliveira
Agradecimentos: A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Brasil (CAPES) – Código de Financiamento 001 e a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (FAPESC) pela bolsa de doutorado de Patricia Link Rüntzel.
Ao Projeto CNPq Pró-Humanidades 420046/2022-4 – Quimidex Ambiental – Ciência para o Desenvolvimento Sustentável